A perseguição às crianças cristãs: Onde as crianças são mais perseguidas?
13/10/2021 22:11 em escandalo
Criança chinesa lendo a Bíblia
 

Atualmente, mais de 340 milhões de cristãos são perseguidos em todo o mundo. Além de homens e mulheres lidarem com a pressão por não abandonarem o evangelho, jovens e crianças também lidam com a perseguição religiosa. Em comemoração ao Dia das Crianças, que acontece neste dia 12 de outubro, a Portas Abertas preparou dados e histórias de pequenos que já entendem o preço de seguir a Jesus.

De que maneira as crianças são perseguidas?

Ambientes educativos e negação ou restrição à educação são a forma mais comum de discriminação enfrentada pelas crianças e jovens cristãos. O isolamento, a identidade e a violência são as principais formas de perseguição aos jovens que seguem a Cristo. Entenda mais sobre cada uma desses aspectos abaixo.

Isolamento: as crianças e jovens são alvo da perseguição através da pressão que os isola da família e da comunidade. Esse isolamento acontece principalmente através do sequestro. Dados da Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2021 mostram que o sequestro de jovens e crianças acontece em 46% dos países do Top50. No entanto, também existem outras formas de isolamento, como negar acesso a materiais e ensinamentos cristãos, os proibindo de frequentar igrejas. Esse isolamento serve para separar crianças e jovens de fontes de educação religiosa cristã, mas também pode causar danos mais amplos.

Identidade: por pressão das autoridades e líderes de outras religiões, muitas crianças não têm acesso a uma identidade. Os pais não podem registrar os filhos como cristãos, principalmente se os pais pertenciam a outras religiões antes. Os jovens têm a identidade legal como cristãos negada e são registrados com outras religiões.

Violência: muitas crianças e adolescentes enfrentam perseguição de maneira violenta, como casamento forçado, morte, violência física, psicológica, sexual e até verbal. De acordo com um relatório recente da ONU, metade das crianças em todo o mundo sofrem violência todos os anos, seja online, offline, em comunidades, nas escolas e até mesmo nas casas. Cerca de 32% dos países da LMP 2021 registram que crianças e jovens foram mortos por causa da fé ou por pertencerem a uma comunidade ou família cristã.

Um jovem cristão “sem identidade”

Matti nasceu em uma família cristã no Iraque, e os pais dele se divorciaram quando ele e o irmão ainda eram pequenos. A mãe se casou novamente com um muçulmano. De acordo com a lei, Matti e o irmão são automaticamente muçulmanos porque um dos pais se converteu. O pai dele se casou novamente, e o jovem foi abandonado pelos pais e passou a viver com a tia até os 25 anos.

Ele queria se casar com uma jovem também cristã, mas a família da moça o rejeitou, porque os documentos dizem que ele é muçulmano e, por lei, os filhos dele também seriam classificados como muçulmanos. Isso aconteceu duas vezes com o cristão e, agora, com 45 anos, Matti está muito triste por não poder ter a própria família e passar a fé cristã que é tão importante para ele.

Onde as crianças são mais perseguidas?

O contexto sociocultural e regional também influencia a perseguição de crianças e jovens. Como a principal maneira de perseguição às crianças acontece por meio da educação, você entenderá como a vida estudantil dos jovens é em cada região do mundo.

Como é a perseguição às crianças na África?

Na África Subsaariana ocorrem as taxas mais altas de perseguição a jovens e crianças. Os principais tipos de perseguição são violência (sexual, física, psicológica), casamento forçado e sequestro. Grupos extremistas se aproveitam da falta de proteção das comunidades para atacar os mais vulneráveis, como é o caso das crianças. Com as fragilidades trazidas pela pandemia da COVID-19, grupos extremistas exploraram ainda mais as vulnerabilidades de comunidades em todo o continente.

Como é a perseguição às crianças na Ásia?

As autoridades e a maioria religiosa nos países da Ásia são os principais canais de perseguição dos jovens. Crianças cristãs têm as identidades negadas, devido ao registro automático de recém-nascidos como a maioria religiosa do país. Os pais cristãos não têm a opção legal de registrar os filhos como cristãos.

Isso não é específico para uma religião. Um parceiro em Mianmar diz que “os cristãos são automaticamente retratados como budistas no país. Todos os cristãos ex-muçulmanos são registrados como muçulmanos, então as crianças também são automaticamente registradas como muçulmanas”. Enquanto na Índia, os filhos de pais cristãos são frequentemente registrados como hindus. Na Malásia, há vários casos judiciais em que os pais se divorciaram, o pai voltou às práticas islâmicas, recebendo a custódia das crianças e elas, automaticamente, foram registradas como muçulmanas.

Como é a perseguição às crianças na América Latina?

Existem apenas dois países da América Latina na Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2021: Colômbia e México. Portanto, poucas conclusões podem ser tiradas sobre a região apenas a partir desses países. Os dados da pesquisa são provenientes dos 74 países que compõe a Lista Mundial da Perseguição e a Lista de Países em Observação, incluindo seis da América Latina. Grupos criminosos nos países recrutam à força meninos e adolescentes cristãos que, então, enfrentam violência física, psicológica e verbal. Para evitar esse recrutamento, os meninos podem ser forçados a mudar de casa por segurança.

A perseguição por meio da educação

O acesso à educação é negado a crianças e jovens cristãos de várias maneiras. Nem todos são dispensados da escola formalmente, em vez disso, o assédio pode ser tão grave que eles são forçados a deixar os estudos. Se um pai perder o emprego por causa da fé, a escola pode se tornar inacessível, e os filhos podem ter que trabalhar. Níveis graves de violência também podem interromper o acesso à educação.

Duas irmãs no Laos, de 12 e 14 anos, foram intimidadas pelos colegas de classe por serem cristãs e pelo pai ter sido preso por causa da fé. Elas foram chamadas de filhas de Yesu (Jesus). Isso deveria ter sido um rótulo honroso, mas, em vez disso, carregava a certeza da rejeição. Elas decidiram interromper os estudos porque não suportavam mais a exclusão e a violência verbal dos demais estudantes.

Discriminação e preconceito por meio da educação são ferramentas poderosas de perseguição. Nos países da LMP 2021, 98% das crianças e jovens cristãos enfrentam discriminação e assédio em ambientes educacionais. O preconceito aparece no ensino anticristão, isolando crianças e jovens que seguem o evangelho. Aqueles que têm autoridade dentro dos sistemas de educação podem usar a influência para tornar os cristãos indesejáveis naqueles locais. Isso inclui não só os alunos, mas também professores e líderes escolares.

Na Colômbia, os alunos indígenas recebem uma educação que promove as tradições ancestrais. Essa situação exerce forte pressão sobre famílias cristãs indígenas, especialmente as que moram em áreas distantes e as escolas são a única opção de acesso à educação. Famílias indígenas cristãs lutam contra a situação e, muitas vezes, optam por não enviar os filhos à escola, o que limita as possibilidades futuras. Se eles tentarem acessar a educação em escolas públicas distantes da área indígena, as autoridades recusam a admissão dos cristãos ou os restringem de deixar a área. 

Como é a perseguição aos meninos cristãos? 

A maior ameaça que afeta os meninos é o recrutamento forçado para milícias ou gangues criminosas. Em 2019, mais de 7.740 crianças eram recrutadas e usadas como soldados nos grupos criminosos. As gangues da América Latina visam meninos adolescentes cristãos, que são vistos como mais fáceis de influenciar. Na África, os meninos são recrutados à força em países afetados pelos conflitos. “As crianças são recrutadas para grupos de milícias e para as forças de segurança em uma idade muito jovem. Isso priva os pais da oportunidade de criar essas crianças no modo de vida cristão”, comenta um parceiro na República Democrática do Congo.  

O recrutamento forçado de meninos cristãos os prejudica de duas maneiras: eles são isolados das famílias e ao mesmo tempo aumentam o número de membros de grupos extremistas. Os meninos são mais propensos a perder a vida do que as meninas e isso está parcialmente ligado aos perigos de recrutamento, ou sua recusa, expondo os meninos à insegurança. No entanto, isso também mostra as táticas dos extremistas que normalmente praticam violência sexual com as meninas, mas matam meninos ao atacar comunidades cristãs. Testemunhas relataram a um parceiro na Somália que quando uma família foi atacada pelo Al-Shabaab, o pai e o filho foram assassinados enquanto as três filhas enfrentaram violência sexual de membros do grupo.

 

 

Como é a perseguição às meninas cristãs?

As meninas cristãs correm um risco do casamento forçado e isso aumenta quando meninas atingem a idade fértil aos olhos da cultura. Mais de 20% das meninas são casadas quando crianças em quase metade dos países que compõem a Lista Mundial da Perseguição 2021. “As meninas cristãs são forçadas a se casar com homens radicais mais velhos. Isso, muitas vezes, é feito em segredo e à força a fim de devolvê-las ao islã. Uma vez casado, o homem usa a violência sexual como uma ferramenta de submissão para engravidá-la e fazer com que ela passe a depender dele”, conclui o parceiro na Somália.

A pandemia da COVID-19 aumentou taxas de casamento infantil e violência doméstica. Casamento forçado e violência sexual foram os dois pontos de perseguição mais relatados pelas meninas que vivem nos 50 países da LMP 2021. Sequestro, tráfico e sedução também aumentam a vulnerabilidade das cristãs. As meninas geralmente são dependentes na família para segurança financeira e física e, portanto, altamente vulneráveis se a perseguição vier de dentro da própria família.

Em Moçambique, casamentos precoces e forçados afetam negativamente as famílias cristãs e comunidades. As crianças não estão prontas física e emocionalmente para se tornarem esposas e mães. Elas enfrentam mais riscos de experimentar complicações na gravidez e no parto, além de contraírem doenças sexualmente transmissíveis e sofrerem violência doméstica. Com pouco acesso a educação e oportunidades econômicas, elas e as famílias são mais propensas a viver na pobreza.

 Para as crianças 

Para comemorar o mês das crianças, a Missão Portas Abertas elaborou um guia para as crianças aprenderem um pouco mais sobre a igreja secreta em um formato que seja acessível aos pequenos. O especial “A experiência da igreja secreta” é um roteiro de atividades para eles entenderem um pouco melhor como é a vida dos cristãos secretos. Os conteúdos podem ser feitos com os pais em casa ou professores de ministério infantil, em aulas presenciais ou online. Baixe agora e fale da Igreja Perseguida com as crianças da família ou igreja.  

Fonte: Portas Abertas

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!